O blog já morreu? 5 absurdos sobre o tema

Todos os anos alguém aparece com o velho questionamento: “O blog já morreu”? Mesmo com a chegada das redes sociais e de formatos de conteúdo como vídeos e podcast, o blog segue sendo relevante dentro das estratégias de marketing de conteúdo e gerando resultados satisfatórios para quem o explora de forma correta, principalmente como ferramenta para tráfego orgânico e SEO. O blog também é uma ferramenta muito valiosa para a geração de leads, reconhecimento e fortalecimento de marca.

“Aqueles que investem em uma boa estratégia de SEO e produção de conteúdo, só têm a ganhar com a redução do Custo por Visita (CPV) e consequentemente do Custo por Lead (CPL) e do Custo por Venda (CPV ou CAC)”, comenta Raphael Rez, fundador e CMO da Web Estratégica, consultoria especializada em Marketing de Conteúdo. E já que o objetivo aqui é desmistificar a morte do blog, o especialista separou alguns dos maiores absurdos que andam falando por aí que comprovam o contrário.

Quais os absurdos já te contaram sobre o blog?

1. As pessoas não leem mais blogs

De acordo com uma pesquisa da Impact, cerca de 77% dos usuários na internet leem artigos de blog regularmente.  As pessoas continuam lendo, porém de uma forma diferente. Hoje um leitor gasta em média 37 segundos para ler uma postagem de blog, o que mostra que os usuários buscam primeiramente as informações que estão buscando. E fazem isso escaneando o conteúdo de cima a baixo em busca de palavras associadas à resposta que buscam.

Por isso é importante criar conteúdo relevantes e que ofereçam ao leitor uma boa experiência de leitura, para que possam escanear o texto e encontrar a informação desejada. Lembre-se: as pessoas leem blogs porque estão procurando soluções para os problemas que possuem.

2. Retorno rápido é só com redes sociais

O conteúdo produzido nas mídias sociais possui prazo de validade além de não ter a capacidade de descoberta das postagens em blog. Isso ocorre porque os conteúdos da maioria das redes sociais não são indexáveis, ao contrário dos blogs, que se bem desenvolvidos e com uma estratégia de SEO bem montada, alcançam alto nível de indexação no Google.

Uma pesquisa do Content Marketing Institute mostrou que estratégias de conteúdo produzem 3 vezes mais leads do que campanhas pagas. E essas campanhas pagas geralmente são feitas usando as redes sociais.

E do lado do usuário, há uma preferência de mais de 88% deles pelo consumo de conteúdo orgânico ao invés de posts patrocinados, como mostra uma pesquisa da Martech.

Portanto, na hora de investir em campanhas e estratégias de marketing de conteúdo, analise bem o público-alvo e as personas para identificar os melhores canais de distribuição de conteúdo.

3. O blog morreu, as pessoas só assistem vídeos

É verdade que os vídeos ganharam grande relevância nos últimos anos, principalmente com a evolução do YouTube e do suporte que as redes sociais dão à publicação de vídeos. E isso deixou uma parte do público meio preguiçoso quanto à leitura.

O WordPress, maior CMS do mercado de sites e blogs, estima que em um único mês, em média, sejam publicados 70 milhões de novos posts, distribuídos nos mais de 500 milhões de blogs existentes na internet.

Se as pessoas só assistissem vídeos, os números não seriam tão elevados. O que acontece é que nem todo conteúdo é produzido em vídeo, e nem todo mundo gosta de vídeo. Ainda existem aqueles que preferem um bom texto. E mesmo com o crescimento dos vídeos, isso não mata o blog, até porque um blog bem estruturado tem capacidade para receber conteúdos em texto, vídeo, áudio e imagens. Uma dica na prática, é colocar vídeos embedados em um texto para o blog com objetivo de complementar as informações.

4. As pessoas não confiam na credibilidade do site

A Findstack fez uma pesquisa e identificou que 68,52% dos blogueiros pesquisados concordam que os blogs ajudam a adicionar credibilidade a um site. Na mesma pesquisa, identificaram 5 pontos bem relevantes que fazem com que o usuário enxergue credibilidade no site:

  • Qualidade do conteúdo
  • Bom design
  • Publicação regular de conteúdo
  • Boa presença em mídias sociais
  • Bons autores

A credibilidade do site ou blog está ligada a todos esses aspectos, ficando claro que não basta focar apenas no conteúdo. É preciso olhar o ecossistema como um todo.

5. O site só serve como um cartão de visitas, não precisa investir muito

Se ainda existem empresários que pensam dessa maneira, de fato não estão ganhando dinheiro como as marcas que já apostam em sites e que investem em produção de conteúdo, estratégias de SEO e experiência do usuário.

De acordo com uma pesquisa do Demand Metric, 60% das pessoas afirmam ler artigos de blog antes de realizar uma compra. E elas fazem isso porque estão em busca de mais informações sobre o produto e querendo saber a opinião de outras pessoas que compraram.

Muitas empresas como a Leroy Merlin, Omie, Magalu, Hoteis.com, Administradores e EmCasa, por exemplo, investem em consultoria de SEO para que seus sites e blogs se tornem muito mais que um cartão de visitas, que sejam um canal sólido de comunicação e vendas.

O mito de que o blog morreu pode perdurar por muitos anos, mas nada vai mudar o fato de que o blog é excelente para a criação de narrativas em torno de produtos e serviços e para moldar o posicionamento de uma marca.

Quando você ouvir de alguém que os blogs morreram, pergunte para ela quando foi a última vez que ela fez uma pesquisa no Google, e onde ela encontrou a resposta que estava procurando. 

O Google está cada vez mais forte e isso acontece porque as pessoas o estão usando com mais frequência. O Google é o site mais visitado do mundo e processa 8,5 bilhões de buscas por dia. E se isso está acontecendo é sinal de que elas continuam lendo artigos, ao mesmo tempo que assistem vídeos, ouvem podcasts e consomem conteúdo nas redes sociais.

Por fim, os blogs ajudam a reduzir o custo por venda ao longo de toda a jornada do cliente, ajudando milhões de marcas a vender mais diariamente há mais de 15 anos.

“Não deixe que os mitos sobre os blogs atrapalhem sua estratégia de marketing e façam você perder oportunidades de negócios valiosas todos os dias. O blog não morreu e, ao que tudo indica, não morrerá tão cedo”, aponta Rafael Rez.

Deixar uma resposta